Pular para o conteúdo principal

Postagens

Texto 28 - De leve

Bem de leve
Me toca, me sente e me desperta vontades guardadas.
Nada além daquilo tão desejado a ponto de deixar os lábios ressecados levando a língua de vez em vez  a umedecê-los enquanto a boca seca  outro alívio deseja encontrar. De leve os olhos piscam e piscam sem parar,  tentando melhor enxergar. Mas as mãos já não se contento, apressam-se dizendo
não mais poder esperar. Alice Alquimia Noite de quinta feira, dia 22 agosto de 2019 Inverno no Brasil
Postagens recentes

Texto 27 - Permissão

Permito sim
que imagine meu cheiro e a textura da minha pele
bem como a sensação de tocar meus pelos eriçados por um simples roçar da brisa e até mesmo de seu hálito quente. Permito sim; e caso tenha receio, até desculpo sua falta de coragem de ir além quando sós oportunidades não nos faltem. Permito que pense o que desejar a respeito de tudo sonhado idealizado e  até então não concretizado. Há tanto nessa vida sem fundamento, sem explicação e nós
apenas dois seres infantis; além e por motivos mil não nos deixamos realizar nada além... Somos assim e assim nos permitimos sim. Alice Alquimia Segunda feira, 19 de agosto de 2019 Inverno no Brasil


Texto 26 - Acontecimento

Équando o corpo pede,
se  correspondido todos os poros deixam escapar
os feromônios; causando o efeito do encontro das águas do mar e do rio
ou do céu com o ar, ou ainda de um olhar no outro.
Tudo vai seguindo de acontecimento em acontecimento tomando forma
o ar falta, a cadência sem pressa cede lugar ao grito de  êxtase
 renovando a vida daqueles que livres
permitem-se...
Alice Alquimia
Ameno Inverno  no Brasil
4a feira, dia de julho de 2019

Poesia com Miguel Falabela

Texto 25 - Novidade

É aquele momento em que todo o mundo desaparece da frente
e somente aquela visão fica. Nem sempre é algo bom, maravilhoso ou feliz.
Há novidade para todo propósito e por muitos tantos outros motivos.
O fato é que a novidade tem o poder do entorpecimento.
Uma vez  tudo seguia calmamente, as pessoas conversavam com  as vozes em tom
suave; até que um telefone toca, uma das pessoas sai momentaneamente do grupo
para ouvir em particular. Por uns cinco minutos a calma ainda estava ali na sala
sem novidade; até que a citada pessoa volta com ar transtornado e atormentado,
 olhos arregalados e faiscando, a face agora avermelhada ressaltava o desenho
da boca agora com os lábios inchados e sem respiração regular e sem reserva
 proferia palavras e palavras  de ódio e rancor na direção de uma só pessoa
dos presente, tudo isso em um volume tão alto que pareceu que todo o silêncio
e paz deram as mãos e forma embora sem nem olhar para trás.
Tudo por conta de uma simples novidade que chegou com todas: sem a…

Poesia com Miguel Falabela

Texto 24 - Ah eu quero

Despir-me das roupas que cobrem minha pele e sem culpa
andar por aí e por ali sem precisar dar sequer uma explicação.
Quero muito e vou e vou agir na direção certa de meu alvo.
E esse tal não é um outro ou de uma outra,
mas nua estarei entre as paredes que me abrigam
e onde de total liberdade posso ser sem sobra de dúvida
eu mesma e todas as outras e todos os outros que
desejar ser.
Juntos faremos a festa e a realidade lá fora, talvez olhemos
u momento ou outro pela fresta, a mesma que trás a claridade
e os raios de luz de vez em vez.
A eu quero e vivo assim, por mim, para mim e pra mim.
Certo ou errado seja o ato ou a expressão, sigo vivendo da
forma que entendo ser a melhor.
Alice Alquimia
Inverno no Brasil, sábado, dia 20 de julho de 2019